Biologia Celular e Molecular - IOC

Programa de pós-graduação stricto sensu em biologia celular e molecular

  • Diminuir tamanho do texto
  • Tamanho original do texto
  • Aumentar tamanho do texto
  • Ativar auto contraste
Início do conteúdo

18/11/2016

Dupla premiação em evento da Sociedade Brasileira de Protozoologia


Com resultados complementares que apontam para a possibilidade de reversão dos danos cardíacos na fase crônica da doença de Chagas, os projetos de pesquisa do doutorando Roberto Rodrigues Ferreira e da mestranda Rayane da Silva Abreu receberam o Prêmio Zigman Brener, concedido pela Sociedade Brasileira de Protozoologia (SBPz). Desenvolvidos no Programa de Pós-graduação em Biologia Celular e Molecular do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), os trabalhos foram destacados na seção de pôsteres da 32ª edição da Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Protozoologia (SBPz). Realizado de forma integrada à 43ª edição da Reunião Anual da Pesquisa Básica em Doença de Chagas, de 07 a 09/11, em Caxambu, Minas Gerais, o encontro contou com mais de 300 estudos apresentados. Outras três pesquisas de alunos do IOC também foram reconhecidas com menções honrosas.

Roberto e Rayane receberam os prêmios das categorias doutorado e mestrado, respectivamente, na área de biologia da interação parasito-hospedeiro. Foto: Alex Gomes.

 

Realizadas em camundongos, considerados modelos de estudo para a doença de Chagas, as pesquisas indicam que inibir a ação de uma substância inflamatória, chamada de TGF-β, pode melhorar o funcionamento do coração, revertendo a fibrose e promovendo a regeneração do tecido cardíaco na fase crônica do agravo. “Utilizamos um inibidor de TGF-β, a molécula GW788388, aplicado em diversas pesquisas e observamos que o tratamento reduziu a deposição de colágeno no coração, que caracteriza a fibrose do tecido. Em exames de eletrocardiografia e ecocardiografia, verificamos a melhora da função cardíaca dos animais, com aumento da frequência cardíaca, redução de arritmias e aumento da fração de ejeção ventricular, o que indica maior capacidade de bombeamento do sangue”, explicou Roberto. “Após o tratamento, identificamos um aumento de moléculas consideradas marcadores de novos cardiomiócitos [células musculares cardíacas] no coração dos animais. Isso indica que a terapia estimula a regeneração do tecido cardíaco”, contou Rayane.

O caráter complementar das pesquisas foi destacado pela chefe do Laboratório de Genômica Funcional e Bioinformática do IOC, Mariana Caldas Waghabi, orientadora dos estudos. “Enquanto Roberto demonstrou a capacidade de reversão da fibrose cardíaca, Rayane conseguiu decifrar alguns dos possíveis mecanismos envolvidos no processo”, enfatizou Mariana. Para os estudantes, o reconhecimento representa um estímulo na carreira científica. “A premiação é muito gratificante e reforça a importância do trabalho desenvolvido no laboratório. Atualmente, não há tratamento para doença de Chagas crônica. A busca por uma terapia é fundamental para os pacientes”, comentou Roberto. “Precisamos lembrar que a doença de Chagas é negligenciada. Nossa pesquisa tem o objetivo de melhorar a qualidade de vida das pessoas afetadas por esse agravo”, completou Rayane.

Além do Laboratório de Genômica Funcional e Bioinformática, os Laboratórios de Biologia das Interações e de Inovações em Terapias, Ensino e Bioprodutos do IOC e o Instituto de Saúde e Ciências Médicas da França (Inserm, na sigla em francês) colaboraram com as pesquisas premiadas.

Menções Honrosas
Três estudantes do IOC também foram reconhecidos com menções honrosas no Prêmio Zigman Brener deste ano. A mestranda Ana Cristina Bombaça foi destacada pelo projeto que investiga a interação entre o mosquito Aedes aegypti e o protozoário Strigomonas culicis, encontrado no interior do intestino do inseto. Realizado na Pós-graduação em Biologia Celular e Molecular, o estudo é orientado pelo pesquisador Rubem Figueiredo Sadok Menna Barreto, do Laboratório de Biologia Celular. Doutoranda do mesmo programa e técnica do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz), Samara Graciane da Costa recebeu menção honrosa pelo trabalho de identificação e caracterização dos genes relacionados à enzima digestiva glicosidase no inseto Lutzomyia longipalpis, vetor da leishmaniose. A pesquisa é orientada pelo pesquisador Fernando Ariel Genta, do Laboratório de Bioquímica e Fisiologia de Insetos. Já o mestrando Leonardo da Silva Lara foi reconhecido pelo estudo que analisa a atividade de compostos derivados da substância naftoquinona contra o parasito Trypanosoma cruzi, causador da doença de Chagas. O estudo é realizado no Programa de Pós-graduação em Biologia Parasitária e orientado pela pesquisadora Mirian Claudia de Souza Pereira, do Laboratório de Ultraestrutura Celular.

Sobre o prêmio
Concedido desde 2004, o Prêmio Zigman Brener destaca os melhores painéis científicos apresentados durante a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Protozoologia. Para a premiação, os trabalhos são divididos em três áreas: biologia da interação parasito-hospedeiro, biologia de protozoários e seus vetores e biologia translacional. Em cada área, são selecionados quatro vencedores, considerando as categorias graduação, mestrado, doutorado e pós-doutorado, totalizando doze premiados. O número de menções honrosas concedidas varia anualmente. Em 2016, quinze estudos receberam esse reconhecimento.

 

Reportagem: Maíra Menezes
Edição: Cristiane Albuquerque e Vinícius Ferreira
18/11/2016
Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)

Voltar ao topoVoltar