Biologia Celular e Molecular - IOC

Programa de pós-graduação stricto sensu em biologia celular e molecular

  • Diminuir tamanho do texto
  • Tamanho original do texto
  • Aumentar tamanho do texto
  • Ativar auto contraste
Início do conteúdo

11/12/2017

Teses defendidas em Programas de Pós do IOC são contempladas com o Prêmio Oswaldo Cruz de Teses


O Ensino do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) não para de ter resultados positivos em 2017. Cinco estudantes de doutorado dos Programas de Pós-graduação Stricto sensu tiveram a qualidade de suas teses reconhecidas durante a primeira edição do Prêmio Oswaldo Cruz de Teses, iniciativa da Presidência da Fiocruz que visa destacar estudos de grande relevância para os avanços do campo da saúde e suas variadas áreas temáticas. A cerimônia de premiação aconteceu na manhã desta segunda-feira, 04/12, no auditório do Museu da Vida, no campus da Fiocruz, em Manguinhos (RJ).

Com a tese “Estratégias para bloquear a transmissão da hanseníase em município hiperendêmico – Mossoró/RN”, Mauricio Lisboa Nobre conquistou o primeiro lugar na categoria Saúde Coletiva. O estudo foi desenvolvido no Programa de Pós-graduação em Medicina Tropical, sob orientação da pesquisadora Euzenir Nunes Sarno, do Laboratório de Hanseníase. Na área de Medicina, o vencedor foi Bruno Jorge de Andrade Silva, com a tese “Mecanismos de regulação autofágica em pacientes com hanseníase e seu papel na imunopatogênese da reação reversa em pacientes multibacilares”. Com orientação da pesquisadora Roberta Olmo Pinheiro, também do Laboratório de Hanseníase, o estudo foi desenvolvido no Programa de Pós-graduação em Biologia Parasitária. Na categoria Ciências Biológicas aplicadas à Saúde e Biomedicina, a primeira colocada foi Caroline Xavier de Carvalho, com a tese “Influência genética durante a infecção por dengue: polimorfismos de base única associados à dengue grave e seus efeitos funcionais”, defendida no Programa de Pós-graduação em Biologia Celular e Molecular. A orientação foi do pesquisador Milton Ozório Moraes, chefe do Laboratório de Hanseníase. 

Os destaques do IOC não pararam por aí. Na categoria Ciências Humanas e Sociais, Sheila Soares de Assis foi agraciada com o título de Menção Honrosa com a tese “Programa de Saúde na Escola (PSE): contribuições para a integração de estratégias envolvendo as doenças negligenciadas e o plano Brasil Sem Miséria”. Defendida no Programa de Pós-graduação em Ensino em Biociência e Saúde, a pesquisa foi orientada pela pesquisadora Tania Cremonini de Araújo-Jorge, chefe do Laboratório de Inovações em Terapias, Ensino e Bioprodutos. Na área de Medicina, com a tese “Giardia duodenalis em três municípios das regiões norte e nordeste do Brasil: estudo epidemiológico, molecular e ações de educação em saúde”, Beatriz Coronato Nunes também contemplada com Menção Honrosa. O estudo foi desenvolvido no Programa de Pós-graduação em Medicina Tropical, sob orientação do pesquisador Filipe Aníbal Carvalho Costa, do Laboratório de Epidemiologia e Sistemática Molecular. A premiação tem previsão para acontecer anualmente, sempre na semana do Dia do Professor.

Ano de conquistas para o Ensino
O ano de 2017 está repleto de boas notícias sobre o Ensino no IOC, como o êxito na avaliação quadrienal da Capes [clique aqui para saber mais] e o reconhecimento no Prêmio Capes de Tese, considerado a mais importante do país no tema [acesse aqui].

Prêmio IOC de Teses Alexandre Peixoto
Como iniciativa de reconhecimento e estímulo à pós-graduação, desde 2013 o Instituto oferece o Prêmio IOC de Teses Alexandre Peixoto, que reconhece os projetos de destaque em cada programa de pós-graduação. Saiba mais sobre a premiação aqui.

Voltar ao topoVoltar